Chile: Northwards to San Pedro de AtacamaChile: caminho de volta à Santiago

The journey from Valdivia to Santiago would be approximately 800km, but we chose to stop a little under 200 km before Santiago.  Once again, we were worried about finding a hotel in the early evening, so we phoned a couple of hotels the previous night to check availability.  The first was in the Santa Helena winery, but was fully booked already, so we called the Hacienda los Lingues who had vacancies so we made a reservation.
The drive from Valdivia was completely uneventful, however it was the first and last time that it rained on our trip!  The journey probably took around 8 hours including a couple of quick stops for fuel and food etc.

Reception at Hacienda los Lingues

We arrived at the Hacienda and checked in.  It looked beautiful and lovely place to stay and there were a lot of cars in the car park.  After being shown to our room and ordering dinner (we had to pre-order), we went on an exploratory walk around the grounds and discovered that the vehicles belonged to a film crew shooting a pilot/preview for Chile’s next novella (soap opera).  Perhaps we met Chile’s most famous actors, but didn’t know…  We then met the manager and one of the owners of the farm.  It is owned by the original family who still live there and run the hotel.

The unkempt vegetable garden at Hacienda los Lingues

After seeing more, we realised that the hotel wasn’t quite as nice as first appearances and various parts were a little neglected.  The price was very for a luxury hotel, but the service didn’t really come up to this level.  The dinner was ok, but my order was different from the menu.  All in all, not a place I would recommend and the price they were charging.

Our room in Hacienda los Lingues

The next day we had to get to Santiago before midday to return the hire car and check-in for our flight to Calama (the nearest airport to San Pedro de Atacama and the city that supports Chile’s largest and one of the the world’s largest copper mines – Chuquicamata).  We had pre-booked flights on Sky airlines, Chile’s second biggest airline after Lan Chile.  The prices of Sky were much much cheaper than Lan.  The only problem with them was that don’t except foreign credit cards on their website, so booking involved phone calls and emails.  It all worked out well and I’d thoroughly recommend that others consider making the effort to do this.
The flight to Calama was about two and a half ours with one stop (different cities in each direction).  Once again, this was uneventful and we were met by someone that was going to provide the 75 minute transfer from Calama to San Pedro.  We had pre-booked this transfer, but I don’t think it was necessary with hindsight.

A typical shot of terrain around San Pedro de Atacama

The journey was through the desert on a good road.  You leave Calama and go over a mountain range which takes you to height of around 3,400 metres before dropping down into the valley between these mountains and the Andes.  San Pedro is at the foot of the Andes on the far side of the valley across the salt lake (more next post).  It is a town based around a natural oasis whose water source is in the Andes mountains.

Hacienda Los Lingues

Chegamos à Hacienda Los Lingues depois de um dia de uma viagem bem tranquila desde Valdívia. Ao sair da Ruta 5, não acreditamos nas instruções do GPS e tomamos uma estradinha de terra que nos levou por uns 5 km até a entrada da fazenda. Na verdade, o GPS estava certo (dahn!!) e há um caminho pavimentado que chega ao local. No estacionamento, várias vans e alguns caminhões e eu pensei “ai meu Deus, onde fomos nos meter?”.  Mais tarde vimos que havia uma equipe filmando uma novela de época para a televisão chilena nas instalações do hotel.

A fazenda está localizada em uma região muito bonita, tem jardins com árvores centenárias, e uma horta de onde vem a maioria dos produtos servidos nas refeições no hotel, segundo nos informou nosso garçon. A piscina fica fora da ala principal, a alguns metros de distância do portão principal, e nós fomos também a um laguinho de onde se tem uma vista geral das instalações.

Uma das fazendas mais antigas e preservadas do Chile, o lugar é sem dúvida testemunho do dinheiro antigo no país. A casa principal data de meados do século XVIII e é decorada no estilo, com pesados móveis, tapetes, cortinas, papéis de parede floridos e muitos objetos da família em exposição.  O quarto em que ficamos nos fez pensar que estávamos no quarto da fazenda da minha bisavó, se ela tivesse uma. Olha só o quarto:

O nosso guia (Rough Guide to Chile 2006) afirmava que o hotel era parte do grupo Relais e Châteaux, mas pelo que vimos não é mais. Percebemos uma certa decadência na fazenda, desde o papel de parede descascado, até a toalha bordada poída e o gerente (na verdade genro do dono) reclamando da interferência da família na condução nos negócios… Enfim, tudo meio surreal!

Na manhã seguinte, partimos diretamente para o aeroporto de Santiago, 150 km ao norte, onde entregamos o carro e embarcamos no voo da Sky Airlines para Calama, com escala em Antofagasta. Apesar de o avião não ser muito novo, a viagem de pouco mais de duas horas foi agradável, no horário, e com um lanchinho de fazer a Gol passar vergonha. Em Calama, já tínhamos contratado com o hotel nosso transfer até San Pedro de Atacama, nossa base no deserto mais árido do mundo.

Outros capítulos da viagem ao Chile:

Nossa viagem ao Chile: primeira parte

Santa Cruz e Pucón

Puerto Varas e Valdívia

Para ver mais fotos, clique aqui.

Para ler o relato do Steve, selecione o idioma inglês.

Chile: Puerto Varas and ValdiviaPuerto Varas e Valdívia

We arrived at Puerto Varas, avoiding Puerto Montt as guide books were not very flattering about the other city in the region, in mid-afternoon.  In many ways Puerto Varas is similar to Pucon:  it has volcanos (3 or 4 visible on a clear day), it is on the edge of a lake and it is also a popular tourist destination.  However, I would describe Pucon as being a little more ‘up-market’, but Puerto Varas is a larger city and probably has more to offer.  We had decided to spend 2 nights there.
We checked in to the Licarayen hotel.  Once again we were concerned about finding vacancies and this hotel had had good reviews so were pleased to find availability.  However, we found it a little simple and nothing special.  Breakfast was again particularly uninspiring with instant coffee and a very limited selection.  I think we could have found something better, but it was close to a beach and the town centre.

Os vulcões Osorno e Calbuco vistos do nosso quarto

On the day we arrived, there was beautiful sunshine which allowed for some good shots of the Osorno volcano (the closest to the city).  The above was taken on our first night.  The next morning, however, we awoke to fog with extremely limited visibility and no volcanos to be seen!  We were a little tired anyway, so took it easy in the hotel in the morning, but when the cloud started to lift we decided to drive around the lake to get closer to the mountains as Puerto Varas itself is quite flat and not terribly beautiful.

Salto del Petrohue with Calbuco volcano in the distance

The drive to Petrohue from the centre of the town was only about 50 km.  The first half is flat and fairly unspectacular, but the last section is beautiful.  Fortunately, as we drove the clouds continued to lift.  About 5 km short of Petrohue the paved road runs out at Salto del Petrohue.  Here there are a number of cataracts and falls, even though they are not particularly high the volume and proximity to the water makes them impressive.

The lake at Petrohue

If you carry on along the road you come to Petrohue where you can catch a ferry to take you to Peulla and cross the Andes to Bariloche in Argentina.  This would be a beautiful trip, and one I would like to do, but we didn’t have time this trip.  Maybe one day we will make it in the reverse direction from Bariloche.  Despite not being able to make the crossing, we still found Petrohue to be very beautiful being on the edge of lake, close to Osorno volcano and the source of the Petrohue river that flows over the falls mentioned above.  There are places to stay if you want.  It is also possible to take a day trip to Peulla by boat from Petrohue, but as we arrived in the afternoon, it was also too late to do this.
The next morning, we left Puerto Varas to start the long (~1000 km)  drive back to Santiago.  We decided to stop twice en-route.  The first would ideally have been around half-way, but we couldn’t find anything that looked interesting in our guide book so elected to stay in the city of Valdivia which is described as ‘cosmopolitan’.

A view of the river from our hotel

It was a relatively short drive of just over 200 km up the main highway with a 50km turning to the left (west) towards the coast.  We mistakenly thought we would see the Pacific Ocean and a proper beach, but alas no!  As for cosmopolitan, the only evidence we discovered for this was a Macdonalds and a Chinese restaurant.  To say we were disappointed is a total understatement.  The pictures may paint a pretty picture, but most of the town was very very different.
We stayed at the Naguilan hotel.  The hotel was again clean and comfortable with a slightly better breakfast than a lot of the other hotels, but it was a 20 minute walk from the town centre and located in a poor neighbourhood with a dock for fishing boats a short distance away.  Whilst I wouldn’t say don’t stay here as the grounds and hotel are pretty, there is a modern and what appears from the outside to be a much better located hotel in the city centre.

Olha o leão marinho tomando sol!

The only other thing apart from an old submarine of indeterminate age and origin that I found interesting in Valdivia was a group of Elephant seals/Sea lions (I don’t know which) that played in the river close to a fish market and hauled themselves out of the river to bask in the sunshine.

Os vulcões Osorno e Calbuco vistos do nosso quarto

Chegamos em Puerto Varas e nos instalamos no Hotel Licarayén, num quarto com frente para o Lago Llanquihue e uma vista dos vulcões  Osorno e Calbuco de tirar o fôlego. Nem chegamos a ir a Puerto Montt, já que tínhamos ouvido, mais de uma vez, que não valia a pena esticar a viagem até lá.
Puerto Varas é uma cidade parecida com Pucón, com lagos e vulcões e muitos turistas que aproveitam da infraestrutura da cidade para fazer base e explorar o entorno. O parque nacional Vicente Perez Rosales fica bem próximo, e aí é possível fazer trilhas, caminhadas, e até mesmo escalar o vulcão Osorno.

Não parece o Monte Fuji??

Queríamos ver o Lago de Todos os Santos, de onde começa a travessia para Bariloche, que eu tinha feito há muitos anos, e para lá fomos na tarde seguinte. A estrada vai margeando o lago Llanquihue por uns 40 km, até Ensenada. Daí a paisagem se torna mais bonita, principalmente quando a estrada se encontra com o Rio Petrohué, o rio mais turquesa que já vi. Paramos para ver as corredeiras, chamadas Saltos de Petrohué, logo antes da entrada do Parque Nacional.

Saltos de Petrohué

Seguindo por uma estradinha de terra de 6 km chega-se ao ponto final para quem não vai pegar o ferry boat para Peulla e seguir até a Argentina. É o Lago de Todos os Santos, o mais bonito que vimos na região. É chamado de Lago Esmeralda justamente por causa da cor intensa da água. As margens do lago são de uma areia escura, que nos pareceu resultante de uma erupção vulcânica passada.

Resolvemos que vamos voltar um dia para fazer a Cruce de Lagos, e completar o passeio que começa aqui em Petrohué. Por ora, tínhamos de voltar a Puerto Varas, para começar, no dia seguinte, nossa viagem de volta a Santiago. Neste trecho iríamos parar em Valdívia, uma cidade que, segundo nosso guia de viagem, compensava o desvio de 50 km a oeste da Ruta 5. Queríamos também ver o Oceano Pacífico, e achamos que esta cidadezinha litorânea seria uma boa pedida. Segundo a descrição do guia, era uma cidade cosmopolita, vibrante, que mistura o colonial com o contemporâneo.

O simpático deque do hotel em Valdívia

Logo descobrimos que, na verdade, Valdívia não fica no litoral, mas em uma confluência de rios a alguns poucos quilômetros do mar. A cidade também não é tão cosmopolita quanto descreveu nosso guia, mas é uma pequena cidade universitária, que abriga o campus da Universidade Austral do Chile. Como era um período de férias, não havia muito movimento.  Gostamos muito do hotel em que ficamos, o Hotel Naguilán, um pouco afastado do centro, mas com um delicioso deque para o Rio Valdívia.

A cidade tem um Mercado Fluvial e, na ilha logo em frente, um Museu Histórico e Antropológico. Há vários barcos ancorados, que fazem passeios pelos rios da região, e levam a algumas fortificações espanholas do século XVII.  Nos contentamos em ver os leões marinhos, que aparecem no rio próximo ao mercado para ganhar restos de peixe e tomar um banho de sol.  Havia também um misterioso submarino ancorado que, pareceu ao Steve, ser da Segunda guerra mundial.

Olha o leão marinho tomando sol!

Para não encarar os 850 km até Santiago, decidimos dormir próximo a San Fernando, e aproveitar nossa última noite novamente no Vale do Colchagua. Minha vontade era ficar no hotel da vinícola  Casa Silva, mas estava lotado. Reservamos então uma noite na Hacienda Los Lingues, “uma das haciendas mais antigas e bem preservadas do Chile”, segundo nosso guia. Mas esta história fica para a próxima…

Mais da nossa viagem ao Chile:

Viagem ao Chile (1a parte)

Santa Cruz e Pucón

Para ver mais fotos, clique aqui.

Para ler o relato do Steve, selecione o idioma inglês.

Chile: Santa Cruz to PuconDe Santa Cruz a Pucón

Following the previous night’s New Year’s ‘festivities’, we got up fairly early, had breakfast, checked out and hit the road around 9:30 a.m. for our 750 km drive south.  Unsurprisingly, the roads at this time on New Year’s morning were pretty much deserted.
Santa Cruz is about 40 km west of Chile’s main north-south road 5 which is part of the Pan American highway.  Rather than taking the shortest route back to this road, we allowed our GPS to direct us along some country lanes to join the main motorway further to the south.  We drove past many more fields of grape vines, but also corn and other crops.  I imagine that these crops were Chile’s main produce before Chile’s wine industry really started growing 20-30 years ago.
About an hour later, and only one small error in our GPS’s directions, we were on the main highway heading south at 120 km/h but still with a good 7 hours drive in front of us and no hotel reservation at our intended destination.  We had read that this road was good, but I was sceptical, to say the least having got used to Brazilian roads.  However, the descriptions were right, the road was excellent and easily up to european standards.  From Santiago to Puerto Varas/Puerto Montt it is at least 2 lanes in each direction.  The only ‘problem’ were the tolls.  There is a toll booth about every 80-100 km and the cost for the whole one-way trip (Santiago to Puerto Varas) was something in excess of 20,000 Chilean Pesos (£25/US$40).  Apart from comfort/petrol/gas/food stops, we only stopped once to see an attraction described as a ‘small Niagra Falls’ in our guide book.

Salta del Laja

Salta del Laja is a waterfall about half way between Santiago and our southernmost destination of Puerto Varas.  We had read about it a little before travelling and had been considering it as a possible overnight stop on the way back.  However, we decided to stop on our way south.  It was a good decision as the town is very small and extremely touristy.  Despite this, the falls were quite impressive but nowhere near on the scale of Foz de Iguacu or even Niagra.  For anyone taking a similar journey as us, I would suggest stopping, but only for a short break to stretch the legs etc.  It is only a very short diversion from the main road and even used to be visible from the old road before construction of the motorway.

A view of Villarrica volcano from Pucon towncentre

After our stop, we drove straight to Pucon eager to find accommodation.  We arrived at Pucon early evening and set about finding a hotel.  The first place we enquired was fully booked so we started to get concerned.  However, we walked around the main square and found the Hotel Huincahue which had a room.  It was quite a nice place with the exception of breakfast which was put out (covered) the night before!
Pucon is a town on the edge of a mountain lake and in the shadow of Villarrica volcano.  It is in a really beautiful location with some stunning scenery around.  It is reportedly one of Chile’s main holiday destinations.  Perhaps consequently, Pucon has a good range of restaurants.  We chose an Italian, but found it disappointing.  This was not unusual in Chile.

An early evening on Pucon’s beach

Apart from the beautiful scenery, Pucon also offers a beach.  However, as you’ll note from the picture above the sand isn’t golden, instead it is black from the volcanic rock.  We didn’t feel tempted to go for a swim, but there were many who do.  The other principal attraction in Pucon is an arts market where locals sell all types of things.  It is found on the main square and was open the evening we arrived, but closed the next morning as we left too ‘early’ (about 11 a.m.).  In fact, we discovered (different to Brazil) that the Chilean day starts late and ends late perhaps as a result of the daylight hours and being on the western side of South America.

Villarrica volcano at the end of the dirt road near Panguipulli

After a quick walk around the town to take some pictures (the ones with sun!), we drove the remaining 250 km or so to our ultimate destination: Puerto Varas.  However, once again we decided to start the journey with a scenic detour via Conaripe and Panguipulli.  About 40 km of the road was on a dirt road around a lake which we didn’t realise when embarking on it.  I don’t like dirt roads much, but this one was suffering just for the views and in truth the road was in very good condition.  However, once we were back on the main highway, the stunning scenery was nowhere to be seen.  We got to Puerto Varas mid to late afternoon.
As before you can see more photos here and you can read Eneida’s account in Portuguese.Santa Cruz está 30 km a oeste da Ruta 5 (em direção ao Pacífico), em uma estrada de mão única que liga a cidade de San Fernando ao litoral. O nosso hotel estava localizado nesta estrada secundária, a poucos metros da entrada de Santa Cruz. Para voltarmos à Ruta 5 e seguirmos para o sul, resolvemos tomar um caminho diferente  por uma estrada vicinal que passa por entre as diversas vinhas da região. Com o auxílio do nosso GPS, a que carinhosamente batizamos de Queenie, chegamos à Teño, de volta à Panamericana que nos levaria à Pucón,  620 km ao sul.

A estrada é boa, mas paga-se bem

A viagem é bem tranquila, e encontramos a estrada especialmente vazia, devido ao feriado do dia 01/01. Como disse antes, a Ruta 5 é super bem conservada, então dá para justificar os váaarios pedágios que encontramos no percurso.  Calculamos que a cada 80-100 km é preciso pagar 1900 pesos chilenos (R$7,00). Fui juntando os comprovantes e, no final da viagem, vi que pagamos mais de 20 pedágios, somando um pouco mais de 40.000 pesos (R$150,00).
Atravessamos o chamado vale central do Chile, a região mais fértil do país, de onde vem grande parte da produção agrícola. Atualmente, a agroindústria toma conta de grande parte da região e, além das vinhas, há plantações de frutas e verduras na maioria do percurso.  Durante a viagem até Chillán, especialmente, vê-se enormes galpões de estocagem e processamento de produtos agrícolas.  A cordilheira dos Andes, neste trecho, não apresenta montanhas tão altas quanto na região de Santiago ou mais ao norte, mas vez ou outra é possível avistar um pico com neve.
No meio do caminho tinha uma cachoeira…
340 km ao sul de Teño, a poucos metros da Ruta 5, fizemos uma paradinha para conhecer  Salto Del Laja, uma cachoeira que, segundo nosso guia de viagem (o livro Rough Guide to Chile, 2006), era uma miniatura de Niagara Falls. Well, me desculpe a cachoeira e o guia, mas tendo estado em Foz do Iguaçu recentemente e conhecendo Niagara Falls, posso dizer que a Salto Del Laja é até bonitinha, mas não é assim nenhuma Niagara. Parece que é um programa popular entre os chilenos, há barraquinhas vendendo souvenirs e estava bem cheio de gente. De qualquer forma, é um lugar para fazer uma paradinha técnica na longa viagem até Pucón.

Miniatura de Niagara Falls?? Acho que não…

Pucón
Da cachoeira, fomos direto a Pucón, pegando a Ruta 199, já no chamado distrito dos lagos. A partir da cidade de Villarica, são 30 km de estrada margeando o lago Villarica, que oferece aqui e ali belas paisagens. Estávamos apreensivos quanto ao hotel em Pucón. Era feriado, a cidade cheia, e não tínhamos hotel reservado. Resolvemos estacionar na Plaza de Armas e sair procurando. Nossa primeira opção foi o Gran Hotel de Pucón, o hotel mais tradicional da cidade, situado na beira do lago Villarica. Como estava lotado, contornamos a praça e achamos um quarto no Hotel Huincahué, um hotel pequeno e confortável com um quarto bem espaçoso.

Pucón é uma cidade muito simpática, à sombra do vulcão Villarica, com casas de madeira – um pouco como Gramado.  É um destino ideal para os amantes do turismo de aventura, pois de lá é possível: escalar o vulcão Villarica, cavalgar nas encostas do vulcão no Parque Nacional Villarica, fazer rafting nas corredeiras do Rio Huerquehue, pescar nos lagos e rios ao redor da cidade, e muito mais.  Nós não fizemos nada disso! Fizemos um passeio até as “praias” do lago Villarica e La Poza, e compramos souvenirs na feira de artesanatos na Plaza de Armas.

Praia de Pucón

À noite, a cidade é super movimentada, os bares e restaurantes da Av. Bernardo O’Higgins ficam lotados. Ah! e só tem gente bonita, todo mundo magro, de cabelo liso e sorridente. E como são bonitos e simpáticos, os chilenos! Não cruzamos com ninguém mau humorado no nosso caminho. Sempre falam “ya” pra tudo (no castelhano falado por lá “ya” quer dizer sim, ok, tudo bem!).
Os Sete Lagos

Região de Sete Lagos

Saindo de Pucón, voltamos em direção à Villarica e de lá, mais uma vez, tomamos uma estrada secundária pela região dos Sete Lagos, que nos levou às paisagens mais bonitas desta parte da viagem. 30 km ao sul de Villarica está o Lago Calafquén e daí rumamos para a esquerda, com direção a Coñaripe. A estrada de terra é bem conservada, nem o Steve reclamou. De Coñaripe, fomos a Panguipulli e de lá voltamos para a Panamericana, na cidade de Los Lagos. O percurso todo, de Pucón à Panamericana, levou umas 2 horas, de lagos e vulcões e rios azuis.

No meio do caminho tinha um vulcão

De Los Lagos a Puerto Varas, nossa próxima parada, são 180 km, que foram percorridos em menos de 2 horas.  Mas Puerto Varas fica para o próximo post.
Mais da nossa viagem:
Nossa viagem ao Chile (1a parte)
Para ver mais fotos, clique aqui.
Para ler o relato do Steve, escolha a opção “inglês”.

Our trip to Chile (part 1)Nossa viagem ao Chile (1a parte)

Having some time off and some air miles that were about to expire, we asked ourselves “Where shall we go?”  Answer: Chile.
The next question was where, specifically.  We decided that we would like to visit Santiago, the wine region including some wineries, the south for the scenery and the Atacama for its uniqueness.
Our first night, the night of 29th December, was spent in the Holiday Inn hotel adjacent to the terminal building of the airport having arrived at around 2 a.m..  The next morning, having picked up our reserved hire car (thankfully it was pre-booked as none of the companies had cars left), we drove around 200 km south to the town of Santa Cruz, the main city in the Colchagua Valley – one of Chile’s premium wine production districts.
We had decided to spend about 2 days here.  The hotel we chose was Hotel Casa del Campo, a small family run hotel with lots of charm.  The owners were incredibly friendly, even driving us to a restaurant as taxis were hard to come by.  The only drawback with this hotel was that it was on the outskirts of town and you needed to drive everywhere which wasn’t so convenient for New Year’s Eve given the dearth of local taxis!
The town of Santa Cruz itself is quite small and doesn’t have a huge amount to do.  But it does have wineries which are probably some of the best in Chile.  Time only allowed us to visit three: Viu Manent, Montes and Clos Apalta, but they were all of differing character.

A charrete da Viu Manent

The first, Viña Viu Manent, is one of the oldest producers of wine in the valley and has some of the oldest vines – its speciality being Malbec with vines dating back around 100 years.  Formerly, its product was for private/personal consumption of the estates owners, but it now sells internationally as well as domestically.  It is one of the smaller wineries, but probably my favourite.  The tour encompasses the vineyards, history, a horse pulled carriage ride to the production facility through some vineyards and terminates with the wine tasting.

A view over Viña Montes winery and its vineyards

Our second stop was at Viña Montes on the morning of New Year’s Eve.  This was the largest of the wineries we visited and was described by our guide as a medium size Chilean winery.  Our impression was that it is more of a factory than a family winery.  However, the wine produced here was excellent including an excellent Carmenere.  The tour consisted of a van drive up onto a hill overlooking the valley and in particular their vineyards.  The tour was followed by a trip around the winery itself including the underground facility where they play music to the wine ageing in oak barrels.  As always, the tour concluded in the shop with wine tasting.

A view of the fermentation vats

The final winery was Clos Apalta.  This is one of the newest wineries, but perhaps produces the highest quality wines which have received awards.  Here the tour consisted only of a tour of the winery itself followed by tasting.  The winery is built over a number of floors and the whole production process is done by gravity with the grapes entering at the top, being put into the oak fermentation vats, before being piped down into the cellars into French oak barrels.  The entire emphasis here is on the quality of the wine produced.  We finished this tour early afternoon of New Year’s Eve.
So, hot to celebrate the arrival of the new year.  There were basically 2 options:  the main hotel in the centre of town, or the casino a couple of blocks away.  We didn’t fancy an expensive set meal in the hotel so elected for the casino, also having spent the previous New Year’s at a less than marvellous party in a hotel in Egypt.  However, on this occassion, I think the hotel may have been a better option as the casino was totally empty.  The party only started after midnight but we had to leave soon after the clock struck 00:00 as there was a long drive to Pucon facing us the next morning!
Steve
For more pictures, please see our gallery.
For Eneida’s account of the trip, please see the Portuguese version!Fui ao Chile pela primeira vez com minha mãe, quando ainda era adolescente. Fizemos a travessia da Cordilheira dos Andes, de Bariloche à Puerto Montt, e depois voamos para Santiago onde passamos alguns dias. Desde então, voltei à Argentina algumas vezes, mas nunca mais tive oportunidade de voltar ao Chile.
Quando resolvemos gastar as milhas que tínhamos para um passeio na América do Sul, o Chile nos pareceu o lugar ideal. Em duas semanas, poderíamos ir de norte a sul, visitar o deserto de Atacama, o vale do Colchagua e a região dos Lagos, de cujas paisagens espetaculares ainda me lembrava. O difícil foi resolver o que deixaríamos para uma próxima ida, como a Ilha de Páscoa, o passeio de navio para ver as geleiras, e a região de Puerto Natales, no extremo sul da Patagônia Chilena.
Decidimos alugar um carro na primeira semana da viagem para viajar para o sul e, na segunda semana, ir ao deserto de Atacama de avião. Ficaríamos um dia em Santiago antes de embarcar de volta ao Brasil.
– Será que vale a pena dirigir de Santiago a Puerto Varas e de volta a Santiago em uma semana?
Foi a pergunta que nos fizemos quando ficamos sabendo que, para devolver em Puerto Varas um carro alugado em Santiago, teríamos que pagar quase o dobro do que pagaríamos se o carro fosse devolvido no local em que foi alugado. Depois de algumas pesquisas, sabíamos que a Ruta 5, estrada panamericana que corta o Chile de sul ao norte, é uma rodovia totalmente duplicada e com asfalto em excelente estado de conservação.  Sabíamos também que a distância entre as duas cidades era de aproximadamente 1000 km e que havia alguns lugares interessantes no caminho. O motivo mesmo para querermos ir de carro era poder parar nas cidadezinhas do vale do Colchagua, da região dos lagos e dos vulcões. Queríamos também conhecer uma cidade litorânea.
Então, fazendo as contas, resolvemos encarar os 2000 km de viagem, e embarcar com um roteiro mais ou menos definido, mas que estava aberto a mudanças. Como era altíssima estação  (réveillon), reservamos hotel para os dois primeiros dias da viagem (em Santa Cruz, no Vale do Colchagua). De resto, iríamos arriscar.
1a parada: Vale do Colchagua
Tínhamos chegado em Santiago depois de 2:00 da manhã com energia somente para atravessar a rua e cair no Holliday Inn do Aeroporto, que ganhou nota 10 no quesito proximidade do desembarque. Foi ótimo, àquela hora, não precisarmos nos preocupar com táxis, trânsferes, etc. Quando acordamos, atravessamos novamente a rua para buscar o carro que tínhamos reservado para alugar. Sorte. Não havia carros disponíveis em nenhuma locadora para quem não tivesse reserva.

E deixamos Santiago com destino a Santa Cruz, a menos de 200 km ao sul. Pudemos confirmar que a Ruta 5 é mesmo ótima e, ainda melhor, é que os chilenos são extremamente bem educados no trânsito: nos 2.500 km que dirigimos,  não vimos nenhum louco passando a 150km/h quando o limite de velocidade é 120km/h e, surpreendentemente, não presenciamos nenhum acidente.

Nossa simpática Casa de Campo em Santa Cruz

Já estava quase me estressando por não ter levado o endereço do Hotel Casa de Campo, que seria nosso endereço nos próximos dois dias, quando vimos a placa de entrada, a menos de 1 km de Santa Cruz. O hotel, na verdade uma agradável pousada, é mesmo na beira da estrada, mas ficamos muito bem impressionados com a simpatia com que fomos atendidos e com as instalações, que nos fizeram sentir como se estivéssemos mesmo passando uns dias no sítio de um amigo.

A charrete da Viu Manent

Ainda dava tempo para conhecer uma vinícola, e foi o que fizemos. Na loja da Ruta del Vino, na praça principal de Santa Cruz,  nos indicaram a vinícola Viu Manent, que fica a poucos quilômetros do hotel, então rumamos para lá. Uma das vinícolas mais antigas da região, tem como especialidade o vinho Malbec, mas gostamos muito do Carménère que nos foi servido na desgustação. O tour inclui um passeio de charrete através das vinhas até a unidade de produção, onde experimentamos o vinho diretamente dos barris, antes de estar pronto para o consumo. Assim, pudemos comparar com o produto maduro que provamos na desgustação. Para mim, que nunca tinha visitado uma vinícola antes, foi muito tudo muito interessante. Mas juro que não consegui sentir no vinho o “retrogosto de tabaco com notas de café” que o guia insistia em salientar.

Viña Montes: o vinho descansa ouvindo uma boa música

No dia seguinte, último dia do ano, ainda visitamos duas outras vinícolas: a Viña Montes, que nos tinha sido recomendada, e a bonita Casa Lapostolle. Nas duas, o vinho é produzido em instalações moderníssimas sem que precise ser bombeado, pois a forma com que as instalações foram construídas permite que seja transportado sempre pela força da gravidade. Não faço ideia de como isso altera o gosto do vinho, mas, pelo que nos explicaram, parece que é o que há de mais avançado em termos de produção de vinhos.

As vinhas da Lapostolle

Para o Réveillon,  tínhamos duas opções: um jantar no Hotel Santa Cruz, principal hotel da cidade, ou uma ida ao cassino onde haveria música ao vivo. Escolhemos o cassino porque no ano anterior participamos de uma festa no hotel em que estávamos no Egito e não gostamos muito. Fomos para o cassino só mesmo para brindar a meia-noite, pois no dia seguinte teríamos uns 700 km de estrada nos aguardando.  E assim, logo depois da entrada de 2010, voltamos para nosso hotel-casa-de-campo.

Casa Lapostolle: a mais moderna de todas

Mais fotos da viagem aqui.
Para ler o relato do Steve, leia a versão em inglês.

De Assuã a Abu Simbel no comboio

O destino final de nosso cruzeiro pelo Nilo foi  Assuã. De lá, eu queria ir a Abu Simbel, a cidade que fica quase na fronteira do Sudão e onde estão localizados os templos de Ramsés II e de Harthor e Nefertari. Esses templos, além de serem por si espetaculares, foram transferidos de lugar, em um esforço mundial coordenado pela UNESCO, para que não fossem submergidos pelas águas do Nilo represadas pela barragem de Assuã. Não queria deixar de ver essas construções do século XIII a.C., que foram cravadas na montanha e planejadas por Ramsés II para intimidar os vizinhos núbios.

Do outro lado da montanha…

Abu Simbel fica a 280 km de Assuã, e a Egyptair tem voos frequentes entre as duas cidades. Tentei comprar as passagens pelo website da empresa, mas apesar de ter obtido sucesso para os outros percursos (Cairo a Hurghada, Assuã a Cairo), não consegui lugar disponível na data em que poderíamos ir a Abu Simbel.
Pelas minhas pesquisas, sabia que havia a possibilidade de ir em um comboio de ônibus e carros que sai de Assuã às 4:00 da manhã, mas não tinha certeza se estaríamos ainda a bordo neste horário. Sabia também que para nos juntar ao outro comboio, às 11:00 da manhã, teríamos de ir de carro. Como arrumar um carro particular em Assuã, já que não se pode alugar?
Nossos problemas foram resolvidos quando contatei a Asswan Individual, uma associação de indivíduos que prestam serviços ao turista na cidade. O contato é uma alemã, Petra, que reside em Assuã e que, muito prontamente, responde aos emails em inglês. Através dela, reservamos um carro com motorista para nos levar no comboio.

Lago Nasser

De Luxor, entramos em contato com o Ahmed, que iria nos buscar no nosso desembarque 4 dias depois. Ele foi muito delicado, e nos entregou ao motorista, que não falava inglês, mas que cumpriu sua função muito bem. Pagamos pelo serviço 700 libras egípcias (US$130,00), e posso dizer que valeu a pena cada centavo.
Os veículos se reúnem em um estacionamento e são escoltados por policiais altamente armados. No nosso carro, fomos acompanhados de um policial com uma metralhadora de dar medo! A viagem é feita em cerca 3 horas em uma estrada reta, monótona, com poucos atrativos além da areia.
Chegamos ao local dos templos em Abu Simbel às 14h e fomos direcionados  para a compra dos ingressos. Como era janeiro, não estava muito quente, mas eu imagino que a razão pela qual o outro comboio saia de madrugada é justamente para evitar o sol escaldante e o calor infernal. Teríamos duas horas  para explorar o local, o que é suficiente.
É preciso caminhar ao redor de uma montanha (construída artificialmente), apreciando o lago Nasser, até que você é surpreendido pelas quatro estátuas de Ramsés II de quase 20 metros que guardam o templo. Uma das estátuas foi atingida por um terremoto, e sua parte superior se encontra no chão.

Templo de Ramsés II

Tudo a respeito da história deste templo me impressionou. Em primeiro lugar, o fato de ele ter ficado soterrado até o século XIX, quando foi descoberto por exploradores europeus: um suíço que viu a frisa do templo e um italiano que em 1817 conseguiu desenterrar o templo e (dizem as más línguas) levar consigo tudo que foi possível carregar.

Outro aspecto impressionante foi o deslocamento do templo nos anos 1960, antes do término da construção da barragem de Assuã. Cada pedra do monumento teve de ser transferida para este novo local e a história e imagens do trabalho hercúleo da transferência podem ser vistas no centro de informação à entrada do local dos Templos.

Olha o Steve lá!

A menos de 200 metros do Grande Templo de Ramsés, está o templo construído para sua esposa preferida, Nefertari, dedicado a Hathor, deusa da beleza e do amor. Na entrada, seis estátuas, sendo duas da rainha, localizadas a cada lado do acesso ao interior do templo, e as outras do próprio Ramsés II. Entre as pernas dos reis, aparecem pequenas estátuas de crianças, príncipes e princesas.

Ainda tivemos tempo para fazer um lanche antes de sair de Abu Simbel. A viagem de volta foi mais rápida que a de ida, e logo após as 18:00 estávamos de volta a Assuã, onde passaríamos a noite e na manhã seguinte pegaríamos o voo para o Cairo, último destino da nossa viagem ao Egito.

Viagem ao Egito – Introdução

Este é um relato da nossa viagem ao Egito, que foi feita no período de 29 de dezembro de 2008 a 10 de janeiro de 2009.
O Steve já tinha estado algumas vezes naquela região especialmente para mergulhar, já que o Mar Vermelho é considerado um dos melhores lugares do mundo para mergulho. Como eu também queria ter esse mergulho no meu (brevíssimo) currículo de mergulhadora, resolvemos que nosso roteiro começaria com uma estada no Mar Vermelho, mais especificamente em Hurghada.
O restante do roteiro foi determinado em razão da conveniência de transporte a partir de Hurghada. Dessa forma, resolvemos começar o cruzeiro pelo Nilo em Luxor, por estar mais próximo. Fizemos o percurso Hurghada – Luxor de carro, em uma viagem de cerca de 3 horas numa estrada cercada de deserto por todos os lados.
O nosso passeio pelo Nilo começou em Luxor e terminou em Aswan. Outro lugar que eu sabia que tinha de ir (e fui e recomendo) é Abu Simbel, a cidade mais ao sul do Egito, já perto do Sudão, onde se encontra o  maravilhoso Templo de Ramsés II. Fizemos um “bate-volta” a Abu Simbel a partir de Aswan. De lá, voamos para o Cairo, onde passamos os dois últimos dias da viagem.
Em grupo ou independente?

Templo de Hatshepsut – Luxor

Em princípio, sempre optamos por formas mais independentes e menos empacotadas de fazer turismo, mas no Egito achamos melhor revermos este conceito. Não que seja impossível conhecer as atrações todas sem fazer parte de um grupo, mas pelo que tinha lido, isso requer um certo desprendimento e capacidade de abstração que eu e o Steve não temos. Ou então muito planejamento. Achei interessante este depoimento do Ricardo Freire (guru para assuntos de viagem):
“Como ninguém precisa ver as pirâmides ou entrar na tumba de Tutancâmon mais do que uma vez em cada encarnação, o turista vira um cachorrinho num campo minado de pulgas. E o pior é que, além de coçarem, as pulgas querem pagamento — baksheesh — por toda sorte de desserviços prestados, tipo por exemplo te chamar num cantinho da tumba de um Ramsés qualquer e informar: Sarcofagus! Very old!” (Postais por escrito, 1998)
Parece exagero, mas não é. O assédio ao turista é tamanho e tão frequente que é duro de aguentar. Então, para evitar as pulgas, resolvemos optar por um dos cruzeiros no Nilo e visitar os principais pontos turísticos da região acompanhados de um guia. Para nós, achamos que foi uma boa escolha e mesmo quase um ano depois acho que não faria diferente.
Cruzeiro no Nilo?

moon goddess1
Nosso barco: Moon Goddess

Existem opções para todos os bolsos e gostos, mas o percurso é o mesmo. Ou você vai de Luxor à Aswan ou ao contrário, em cruzeiros de 3, 4 ou 7 noites. O navio será seu hotel, e também onde são feitas todas as refeições. Para cada grupo de 10-15 pessoas há um guia – seu próprio “egiptólogo” – que acompanha o grupo a todas as atrações. Não há muita variação em termos de lugares visitados, todos seguem o mesmo roteiro e visitam as atrações mais óbvias: saindo de Luxor, parada em Edfu, Kom Ombo e final em Aswan. Todos os cruzeiros oferecem também “programação” noturna que inclui jantar com o comandante, festa à fantasia (mas não é obrigatório comparecer!) e shows de dança do ventre e folclore núbio.
Escolhemos este navio, o Sonesta Moon Goddess, que nos pareceu confortável, com alimentação de qualidade razoável, um preço que cabia no nosso orçamento e a data de saída de Luxor era exatamente a que precisávamos. Gostamos, o navio não decepcionou em nada (aliás, a surpresa boa foi que a comida foi bem melhor do que esperávamos). O guia era um estudante do Cairo que fazia este trabalho nos meses de férias. É claro que ele nos levou a lojinhas de papiros e de alabastro que não estavam propriamente no programa, mas que renderia a ele algumas comissões. Tudo bem, faz parte.
Quando ir, o que levar, etc.

camelo
Guarda das pirâmides de Gizé

Fomos em janeiro porque é o período que tiramos férias e estaríamos na Inglaterra para o Natal. A temperatura estava super agradável, fazia até um friozinho de manhã. Acho que não passou dos 30 graus em nenhum dia. Parece que até março ou abril o calor ainda é suportável, mas nos meses do verão (deles) deve ser difícil encarar os passeios sob o sol de 40 – 45 graus. Sempre que voltávamos para o barco, nos ofereciam toalhas úmidas para passar no rosto e um suco de limão quente, que – dizem – é bom para matar a sede até que seu organismo volte à temperatura normal.
O que não pode faltar na mala: sapato (fechado) confortável. Os templos são todos na areia (afinal, estamos no deserto), então seus pés ficam bem sujinhos se estiver de sandália. Outro item importante: um xale (pode ser comprado lá, uma das muitas coisas que te oferecem são xales lindos), pois mesmo no verão os lugares com ar condicionado são frios. E não se esqueça de um chapéu com abas.
Também é bom ter sempre em mãos notas de valor pequeno para dar de gorjeta: o famoso baksheesh que todo mundo vai te pedir. E um livrinho básico relacionado à história do Egito ou às descobertas dos arqueólogos, ou mesmo Agatha Christie (Morte no Nilo) também vai muito bem!
Próximos capítulos
Muitas fotos e relatos mais detalhado sobre os lugares que visitamos. Até!

Sunny Sunday in INHOTIMUm domingo em INHOTIM


Have you ever heard so much about a place that you think it must be overrated? You’re sure you’re going to be disappointed when you finally see it. That was my feeling about Inhotim, an open-air contemporary art museum 60 km from our home in Belo Horizonte. Last Sunday we eventually managed to go there and I have to say that Inhotim is everything I heard about and more! We loved it.
When we got there, the place was very crowded, because we chose to go on a long weekend right after the opening of new exhibitions.  Later I read that on that day, Oct 11th, they had more than 4000 visitors, a record since the opening in 2006. So we stood in line for half an hour or so but we had decided to spend the day there.
The place:
Installations, sculptures and paintings by contemporary artists from the 1960s onwards are part of the permanent collection. Some are outdoors while others are housed in 16 pavilions scattered around the park. According to the museum’s website, there are 600 hectares of Natural Reserve, 45 hectares of gardens with botanical collections and 5 lakes. Nature in its exuberance, as you can see in the pictures below.



For us Brazilians, some names stand out like that of landscape designer Burle Marx, inspiration for the amazing gardens, and modernist artists such as Helio Oiticica, Amilcar de Castro and movie-maker Neville D’Almeida. I was also surprised to see an installation by Olafur Eliasson, whose work I’d seen in the Turbine hall at Tate Modern back in 2004. And Steve was very impressed with a sound installation by Janet Cardiff with music recorded at Salisbury Cathedral.

I want that bench!

This is a place we are definitely going back, especially with our dear guests from out of state or overseas.
Centro de Arte Contemporânea de Inhotim
Opening hours:
Thursdays and Fridays: 9:30 – 4:30 pm
Saturdays, Sundays and National Holidays: 9:30 – 5:30 pm
Admission for adults: R$15.00
Click here to see how to get there.

2016 – Olympics coming to Rio

Looking down on Rio de Janiero from Corcovada

Congratulations to Rio de Janeiro for winning the right to host the 2016 Olympic Games.  But is it good or bad for Brazil?  What do Brazilians think?
It’s fair to say that there are mixed opinions about hosting the Olympics.  There are those that say the Games will boost tourism, improve infrastructure, and reduce crime.  Conversely, there are those that are worried about corruption.

Itaimbezinho Canyon in the southern state of Rio Grande do Sul

Can anyone imagine a more beautiful location and stunning back drop than Rio de Janeiro?  Rio is a truly gorgeous city with great beaches, mountains and warm lively hospitable people.  But Rio is just one very small part of Brazil, there are other equally amazing places throughout the country that are little known outside of Brazil.  If the Olympics bring tourists to Rio, lets hope they find time to visit some of the other incredible places in Brazil (more about these in a later post).  Brazil’s tourism potential is sadly currently under-exploited.  Brazil boasts stunning natural scenery, in addition to beautiful (and cheap) beaches to mention but two.  In fact, those in the northeast of the country that are just a few hours flight from southern Europe and the United States.  The Games can only aid in the development of this potential.
There are undoubted concerns after the Pan-American Games of 2007 that the Olympics will be beset with allegations of corruption and wasted expenditure.  I have little doubt that there will be some of this, but what major project anywhere in the world doesn’t suffer similar problems (I’m sure Londoners would concur). I hope the various governmental authorities have learnt from the Pan-American Games and find ways to minimise this.  There is a deep-set belief among Brazilians that corruption is ever-present.  I think that this is in part due to history and in part represents the current behaviour of some politicians and companies.  It won’t be easy to convince them otherwise but, with openness and changed policies, maybe this perception can be gradually changed.
Another concern is Rio being left with “White Elephants” that are little used by the citizens.  I think if Rio/Brazil can use the games to tap into the potential sporting prowess of a growing population (not just for football/soccer), then this infrastructure will be used. However, it needs to be made available to all sections of society, hence it needs to be cheap to use.
Lastly, there are concerns that the money could be better spent on healthcare, education, housing and other important social issues.  This is more difficult to answer.  There is progress being made on these fronts, albeit slowly.  The problems in Brazil’s big cities are not trivial and there is no quick easy answer, but if the funding for the Olympics improves housing and educations and does something to improve the quality of life of the favela’s (slum’s) inhabitants in Rio de Janeiro, there will be long-term benefits there and, hopefully, elsewhere.  There is no doubt that crime is a serious concern and something which will need to be resolved prior to the Olympics in order to reassure the influx of tourists.
My personal opinion is that the Games represent a huge opportunity for Brazil to be recognised for what it is:

  • A huge country with enormous economic and touristic potential
  • A country with beautiful warm open people, stunning beaches and diverse cultures

So lets hope that the Olympics are a huge success and bring financial and social rewards to Rio and Brazil as a whole.

Vai de táxi em Londres?


Há dois tipos de táxi em Londres: os tradicionais black cabs (foto) e os minicabs que são, na verdade, carros normais com motorista que têm licença para transportar passageiros.
Os táxis tradicionais são os únicos que podem pegar passageiros na rua. Já os minicabs devem ser requisitados por telefone. Normalmente, os hotéis fornecem uma lista com telefones de empresas confiáveis de minicab. Eles não têm taxímetro, o preço da corrida é informado ou combinado previamente. É importante verificar a licença quando for usar o serviço de minicab, e recomenda-se não pegarminicabs na rua, somente os que forem contratados por telefone, de empresas confiáveis.
Quanto custa uma corrida de táxi em Londres?
Para saber quanto vai custar sua corrida em um táxi tradicional, vá a este site e informe o lugar de partida (from) e o de chegada (to) e clique em Let’s go!. Se quiser, informe também a hora aproximada (when?), pois à noite a tarifa é maior:

Você vai saber a tarifa em dia útil e em final de semana (weekend). Aparecerá também um mapa com o itinerário. Meus informantes que já utilizaram o serviço garantem que a informação é bem precisa
A respeito dos black cabbies em Londres:

  • É comum dar uma gorjeta ao motorista, em torno de ₤1 libra, ou arredondando para o valor inteiro.
  • Há um acréscimo de ₤2,00 se o táxi for pedido por telefone.
  • Os táxis acomodam até 5 passageiros sem que seja cobrada taxa extra. Sendo assim, pode ser uma opção econômica de transporte para quem está viajando em grupo.

Foto: www.wikitravel.com
Para ver outras dicas de Londres, visite nosso outro blogue, Londres para Principiantes.

Queijo bom não é só a França que tem!

As pessoas se admiram quando o Steve diz que sente falta dos queijos da Inglaterra. Como assim, tem queijo bom na Inglaterra?

Claro que tem! Vou falar de dois tipos de queijo inglês, que acredito serem os mais conhecidos:
Cheddar, sem dúvida é o queijo mais popular e o mais consumido na Inglaterra. O nome Cheddar refere-se ao local onde o queijo era originalmente estocado: as cavernas de Cheddar em Sommerset.  Hoje em dia, é um queijo produzido mundialmente, e até o McDonalds tem sua versão – mas que nem de longe se assemelha ao Cheddar inglês.  E olha que nunca experimentei um com a denominação West Country Farmhouse Cheddar , que é reservada aos queijos artesanais,  produzidos no West Country, aquela ponta sudoeste da Inglaterra.
O Cheddar é um queijo forte, com gosto pungente, tem textura firme mas que se desmancha na boca. Normalmente é amarelo claro, mas alguns são tingidos em tons mais fortes. É vendido com diferentes períodos de maturação, desde o mild (queijo mais jovem) até o extra mature (mais de um ano de maturação). Normalmente, quanto mais maduro, mais forte é o queijo.  Se você nunca experimentou, não sabe o que está perdendo…
O Stilton é um queijo azul, com aquela textura cremosa como a do Roquefort ou Gorgonzolla. É um queijo feito de leite integral que passa por um processo de maturação de 4 a 6 meses. Como o melhor Stilton é produzido com o leite do verão, ele chega às lojas a partir de setembro e é vendido até o Natal. Aliás, não falta um Stilton no Natal de uma família inglesa. É um queijo para ser servido depois do jantar, normalmente acompanhado de um bom vinho do porto.
Sendo marca registrada (PDO – Designação de origem protegida), o verdadeiro Stilton só pode ser fabricado no centro da Inglaterra, em Derbyshire, Nottinghamshire and Leicestershire.
Onde comprar:
Qualquer supermercado vende bons queijos. Mas é muito mais interessante conhecer uma loja especializada na venda de queijo (Cheesemonger’s). A Neal’s Yard Dairy tem duas lojas no centro, de fácil acesso para o turista: uma no Borough Market e uma em Covent Garden. Os queijos ficam expostos em prateleiras de madeira, e é possível experimentar os diferentes tipos. Os atendentes estão preparados para responder às dúvidas e aconselhar quanto ao melhor produto para a ocasião. Endereços:
17 Shorts Gardens  –  WC2 – Covent Garden
6 Park Street  – SE1  – Borough Market
Para quem prefere um pouco mais de tradição, a Paxton and Whitfield comercializa queijos desde 1797, com loja no mesmo local há mais de cem anos. Endereço:
93 Jermyn Street  – SW1
Metrô – Piccadilly Circus
Para ver mais dicas sobre Londres, visite nosso outro blogue, Londres para Principiantes.

Primrose Hill – um parque com vista para Londres

O que o filósofo político Engels, o chef-celebridade Jamie Oliver, a modelo Kate Moss e a poetisa Sylvia Plath têm em comum? Bem, segundo consta, todos  moraram em Primrose Hill.

Urban village

Primrose Hill é um bairro localizado no norte de Londres, a menos de 3 km do centro da cidade. Parte do distrito de Camden, é considerado uma “village” urbana, ou seja, uma charmosa área residencial com ar de interior. Em Londres, há várias villages, mas Primrose Hill se destaca e é ainda hoje endereço de várias pessoas ligadas às artes e à mídia.
Como fica em um ponto alto da cidade, é possível avistar todos os cartões postais de Londres a partir do parque de Primrose Hill, sem ter de pagar por isso.
A melhor maneira de chegar até lá é fazer uma caminhada muito agradável pelo Regent’s Canal e depois pelas ruas do bairro, até o parque. Pegue a linha Northern (preta) do metrô e desça na estação de Camdem Town. De lá, suba a avenida (Camden High Street) e vire à esquerda no Canal. Caminhe acompanhando o canal até chegar a um viaduto, com saída para Primrose Hill. Ao subir as escadas, você estará na Avenida Gloucester, já no bairro.
Siga o mapa abaixo ou simplesmente passeie pelas ruas até chegar à área verde. Na Regent’s Park Road, há várias lojas, cafés e restaurantes. Se o tempo estiver bom, compre um sanduíche e faça um picnic no parque apreciando as pessoas e a linda vista.
Para voltar, pegue o metrô na estação Chalk Farm (linha Northern), a 5 minutos do parque.
Veja outras dicas de Londres no nosso blogue Londres para Principiantes.
Mapa de Primrose Hill

Como ir de Heathrow ao centro de Londres


O aeroporto de Heathrow (LHR) é um dos mais movimentados do mundo e é lá que os voos diretos do Brasil aterrizam. O voo da TAM chega no Terminal 4 e o da British Airways no novo Terminal 5, inaugurado em 2008.
O aeroporto está a cerca de 30 km do centro de Londres e oferece ao viajante várias opções de transporte para o centro da capital. As principais opções são:
1 Trem Heathrow Express: a forma mais rápida para chegar ao centro. Em 15 minutos, é percorrido o trajeto do aeroporto até a estação Paddington, no centro de Londres, sem escalas.  Há duas estações no aeroporto: uma no Terminal 5 e outra que serve os Terminais 1-3 (Heathrow Central). Chegando no Terminal 4, é preciso trocar de trem, mas isso é feito de forma rápida e não é cobrado nada extra.
O preço da passagem é ₤16,50 (₤32,00 para ida e volta) se comprada na máquina no próprio aeroporto, ou ₤19,50 se comprada dentro do trem. O jeito mais fácil de adquirir a passagem, no entanto, é online, antes de sair de casa no Brasil. Basta imprimir o bilhete eletrônico com código de barras para apresentar ao cobrador quando pedido. Ao chegar na estação, é só esperar pelo trem e embarcar.
Para encontrar o local de embarque, siga as placas:

O Heathrow Express funciona das 5:00 às 24:00, com um trem a cada 15 minutos, mais ou menos. Veja os horários aqui.
Chegando à estação de Paddington, pegue um táxi ou metrô para seu destino.
2 Metrô: Em qualquer dos terminais de Heathrow, há estação de metrô. A linha azul escura (Piccadilly) conecta o aeroporto ao centro de Londres e ao restante do sistema de metrô da cidade.   É bem mais barato que o Heathrow Express, mas demora bem mais (aproximadamente 1 hora até Piccadily Circus). Como a viagem começa em Heathrow, é tranquilo achar lugar para sentar e acomodar as malas não fica tão difícil.
O horário de funcionamento do metrô é semelhante ao do trem, porém as saídas são mais frequentes. Além de ser mais barato que o trem, a vantagem do metrô é que,  dependendo do destino final do passageiro no centro de Londres, é possível descer já na estação mais próxima, caso seja uma das muitas estações da linha Piccadily.
Uma passagem única (single) para o centro de Londres (Zona 1) custa ₤4,00 e pode ser adquirida na estação do aeroporto.
3 – Trem Heathrow Connect – é um trem parador, mais lento (25-30 minutos) e mais barato (₤7,90) que o Heathrow Express. O destino final também é a estação de Paddington, no centro de Londres. Para quem vai para o oeste de Londres, e tem como destino final uma destas estações, é uma boa opção:

4 Ônibus especial – a National Express faz a ligação entre o terminal rodoviário do aeroporto e a estação de ônibus de Victoria, por ₤4,00. A viagem leva de 40 minutos a 1,5 hora dependendo do trajeto e do trânsito. Os serviços a partir de Heathrow iniciam-se às 5:30 e se estendem até às 21:30. É uma boa opção para quem vai para outras cidades da Inglaterra, ou para os outros aeroportos (há conexões para Gatwick, Stanstead e Lutton). Mais detalhes aqui.
5 Táxi – como em todo aeroporto, há filas de táxi na saída do terminal. O táxi tradicional (black cab) é o mais caro, e uma viagem até o centro da cidade custa pelo menos ₤60,00, e pode demorar bem mais de uma hora, dependendo do trânsito.
6 Ônibus noturno – Entre meia-noite e 5:30, a única opção de transporte público (além do táxi) é o ônibus noturno N9, que tem como destino final a Trafalgar Square, no centro de Londres. A viagem dura aproximadamente 1 hora, e custa ₤1,50.
Welcome to London!
Mais dicas de Londres no nosso blogue Londres para Principiantes.
Fotos: http://www.heathrowairport.com

Mercados de Londres: Portobello Road

Vai estar em Londres em um sábado?

Uma boa pedida é visitar o mercado de Portobello Road, em Notting Hill, um dos muitos mercados de rua de Londres. Se você não gosta de multidão, chegue cedo, porque a partir de 10:30 hordas de turistas e locais começam a aparecer e o lugar fica apinhado de gente. Mas não desanime, é o mercado mais simpático da cidade.

Portobello Road em um dia de verão

São, na verdade, três em um: no início da rua vendem-se antiguidades, no meio comida e no final roupas e outros artigos de segunda mão. Saindo da estação de metrô Notting Hill Gate, vire à direita e siga o fluxo: todo mundo está indo para o mesmo lugar! Os primeiros quarteirões da Portobello Road são tomados por aquelas filas de casas geminadas, algumas coloridas, a cara de Notting Hill.

A partir do cruzamento com a Chepstow Villas, começa a parte mais interessante do mercado, a feira de antiguidades. Os colecionadores se dirigem para as lojas, mas quem só quer mesmo bisbilhotar e fotografar, passeia pelas barraquinhas. Se você estiver procurando aquelas colheres que estão faltando no faqueiro que herdou da sua avó, lá é o lugar para encontrar. Gravuras antigas de Londres, botões dos anos sessenta, broches e anéis, uma máquina de escrever, bules e xícaras de chá, placas de latão, bolas de futebol de couro, equipamento para jogar críquete, carimbos de madeira, livros antigos, selos e moedas, estão entre os artigos – chamados de bric-à-brac-, vendidos em Portobello Road.

Continuando a descer a rua, você verá barracas de alimentos, com frutas e verduras e também pães, doces, conservas, e comida pronta. Ao contrário da feira de antiguidades, essa parte funciona de segunda a sábado e atende os moradores locais. Mais a frente, já quase debaixo do viaduto (Westway), é o setor de roupas, bijuterias, e bugigangas em geral. Além das roupas de segunda mão, é aí que alguns designers da nova geração vendem suas coleções. É neste ponto que termina a feira.

Feira em Portobello Road

Chegar até o final do mercado pode cansar. Mas não é preciso caminhar de volta para a estação de Notting Hill Gate. Pegue o metrô na estação Ladbroke Grove, que fica ali perto.
Nós compramos uma bola de críquete, um porta torradas  e uma placa para porta, com o aviso “beware of the cats”. E você?
Portobello Road Market
Sábados de 8:00 às 16:00 (o horário oficial é de 5:30 às 18:30)
Metrô:   Notting Hill Gate (Linhas Central, Circle e District)
Ladbroke Grove (Linha Hammersmith & City)
Para obter mais dicas de Londres, visite nosso blogue Londres para Principiantes.
Fotos: Francesc Esteve

London’s Public Transport Transporte em Londres: uma introdução

One of the questions I’m often asked is “What is the metro like in London?”

First, there are several public transport systems in London, most of which are now managed by the city council. There is the London Underground, which Londoners call the “The Tube”, and it has 12 separate lines. The tube network is mainly in the north half of the city because of London’s geology. This system starts operating at around 5:30am and runs until about 12:30am seven days a week. The trains depart central London stations at about 2-3 minute intervals during peak times, and 7-8 minute intervals in off-peak times. Contrary to general opinion, much of the Tube is above ground, particularly away from the central zones. See the tube map.
There are also plenty of London buses, including the famous red double-deckers. Their routes extend across the whole of London and operate for similar hours to the tube. However, there are also night buses. These night buses run along similar routes to some of the day buses but have a reduced frequency. You can get on a night bus from about midnight in central London and take it to your neighbourhood in the suburbs.
Additionally, there are also river buses in central London, but they aren’t generally used by Londoners.
Finally, and definitely not least importantly, there is the National Rail network or over-ground train system. This is operated by many different companies and the trains depart from many central London terminus stations like Waterloo, King’s Cross, St Pancreas, Victoria and Paddington.
The southern half of London is mainly served by this overland network rather than the Tube. Therefore, if you look at the famous Tube map, don’t be fooled into thinking this is the complete ‘train’ network. There are in fact, probably, twice as many stations with the other 50% appearing on the ‘London Connections’ map.
To use this network, you can buy single tickets to go from place to place, or you can buy daily, weekly or monthly tickets or even an oyster card from any of the stations or other points of sale such as newsagents. The cost of travel depends on how far you travel. The entire network is divided into 6 principal zones. These zones are arranged as concentric ‘circles’ around the centre of London. All you need to do is buy a ticket for the zones you want to travel to and from (and any zones you pass through en-route).

To navigate on the Tube is very easy. Each line is colour coded. On the map, the stations where you can change from one line to another are shown as a circle, the non-interchange stations are shown as a ‘tag’. The direction of travel is shown on the front of each train and on signs on each platform. Additionally, it is important to know your north, south, east and west despite the fact that the platforms are labelled as northbound, southbound, eastbound or westbound. To find your way round, you simple follow the colours of the lines/signs and have a general idea if you need to go north or south.
I hope this brief introduction of getting about in London is helpful.
For further information: Transport for London
Pictures: Wikipedia and Guardian.co.ukUma das perguntas que sempre me fazem é “Como é o metrô em Londres?”

Para começar, há vários sistemas de transporte público em Londres, a maioria deles gerenciada pela prefeitura da cidade. Há o famoso metrô “London Underground”, que os londrinos chamam de “The Tube”, com 12 linhas separadas. A rede do Tube está localizada principalmente na parte norte da cidade devido à geologia de Londres. O sistema começa a operar às 5:30 da manhã e funciona até aproximadamente 00:30, sete dias por semana. Os trens partem das estações centrais de Londres a cada 2 ou 3 minutos durante os horários de pico, e em intervalos de 7 a 8 minutos nos outros horários. Ao contrário do que muitos pensam, grande parte do Tube não é subterrânea, principalmente nas áreas afastadas do centro da cidade. Veja o mapa do metrô.

Londres conta também com um sistema de ônibus: entre eles, os famosos double-deckers (ônibus de dois andares) vermelhos. As rotas se estendem por toda a cidade, e o horário de funcionamento é semelhante ao do metrô. A diferença é que existem os ônibus noturnos. Os ônibus noturnos mantêm rotas similares às de alguns ônibus diurnos, mas a frequência é menor. É possível pegar um ônibus noturno no centro de Londres a partir de meia-noite para ir aos bairros nos subúrbios.
Existem também ônibus-barco no centro de Londres, mas eles quase não são usados pelos londrinos.
E por último, mas com certeza não menos importante, há a Rede Nacional de ferrovias ou sistema de trens de superfície. Esses trens são operados por diferentes empresas e partem dos diversos terminais ferroviários de Londres como Waterloo, King’s Cross, St. Pancreas, Victoria e Paddington. A parte de Londres situada ao sul é servida principalmente por este sistema de trens de superfície e não pelo Tube. Sendo assim, não pense que a rede de “trens” que você vê no famoso mapa do metrô está completa. Na verdade, deve haver pelo menos o dobro de estações e essas outras 50% aparecem no mapa de conexões chamado “London Connections”.


Para usar todos esses tipos de transporte, você pode adquirir passagens únicas para ir de um lugar ao outro, ou pode adquirir passes diários, semanais ou mensais, ou o seu Oyster card. Eles podem ser comprados em qualquer estação ou outros pontos de venda como bancas de revistas. O custo da viagem depende da distância. A rede completa é divida em 6 zonas principais. Essas zonas são “círculos” concêntricos ao redor do centro de Londres. Você só precisa adquirir o bilhete válido para as zonas em que você quer se deslocar (e aquelas que estiverem no caminho).
É muito fácil usar o Tube. Cada linha tem uma cor diferente. No mapa, as estações em que você pode trocar de uma linha para outra são mostradas com um círculo, e as estações em que a troca não é possível não têm o círculo. O sentido da viagem é mostrado na frente de cada trem, e também aparece na plataforma. É importante saber em que sentido você quer ir (norte, sul, leste ou oeste), mas há indicação nas plataformas juntamente com os nomes das estações. Você verá “northbound” (para o norte), “southbound” (para o sul) “eastbound” (para o leste) ou “westbound” (para o oeste). Para achar seu trem, você deve seguir a cor ou o nome da linha que deseja tomar e saber mais ou menos se quer ir para o norte ou sul, leste ou oeste.
Espero que essa breve introdução ao transporte em Londres seja útil.
Fotos: Wikipedia e Guardian.co.uk