Chá das Cinco em Londres: chegue cedo!

orangery
Para descansar da maratona turística em Londres por umas horas, e ao mesmo tempo desfrutar de uma tradição local, nada como tomar um chá da tarde com os devidos acompanhamentos: sanduíches de cream cheese e pepino, delicados docinhos e os famosos scones(espécie de pão doce) acompanhados com geleia e creme.
É claro que a grande maioria dos ingleses não têm mais tempo para parar de trabalhar às cinco horas e degustar essas delícias, mas a tradição é mantida em vários restaurantes de Londres.  Hotéis como o Ritz ou o Brown’s servem o chá das cinco com toda a pompa. É preciso reservar com antecedência e o preço gira em torno de ₤40 libras por pessoa. Outro lugar requintado que oferece um excelente chá das cinco é o restaurante St. James’s da Fortnum & Mason, loja de departamentos próxima a Picadilly Circus.
Para quem prefere algo mais informal e menos caro, há também opções. O National Cafe, dentro National Gallery, oferece um chá completo por ₤16,50. Outra opção bem bacana nesta faixa de preço, testada e aprovada por mim, é a Orangery, um salão de chá que fica nos jardins do Kensington Palace. Mas fique atento porque, na Orangery, o chá é servido das 15:00 às 18:00 no verão e das 14:30 às 17:00 no inverno, portanto não espere dar 5 horas para chegar. O lugar, que era uma estufa para as árvores cítricas da rainha Anne, é lindo e vale o passeio mesmo para quem não gosta de chá. Não é preciso fazer reservas nem comprar o ingresso para a entrada no Palácio de Kensington.
Foto: divulgação Orangery
Para ver outras dicas de Londres, visite nosso blogue Londres para Principiantes.

Vai de táxi em Londres?


Há dois tipos de táxi em Londres: os tradicionais black cabs (foto) e os minicabs que são, na verdade, carros normais com motorista que têm licença para transportar passageiros.
Os táxis tradicionais são os únicos que podem pegar passageiros na rua. Já os minicabs devem ser requisitados por telefone. Normalmente, os hotéis fornecem uma lista com telefones de empresas confiáveis de minicab. Eles não têm taxímetro, o preço da corrida é informado ou combinado previamente. É importante verificar a licença quando for usar o serviço de minicab, e recomenda-se não pegarminicabs na rua, somente os que forem contratados por telefone, de empresas confiáveis.
Quanto custa uma corrida de táxi em Londres?
Para saber quanto vai custar sua corrida em um táxi tradicional, vá a este site e informe o lugar de partida (from) e o de chegada (to) e clique em Let’s go!. Se quiser, informe também a hora aproximada (when?), pois à noite a tarifa é maior:

Você vai saber a tarifa em dia útil e em final de semana (weekend). Aparecerá também um mapa com o itinerário. Meus informantes que já utilizaram o serviço garantem que a informação é bem precisa
A respeito dos black cabbies em Londres:

  • É comum dar uma gorjeta ao motorista, em torno de ₤1 libra, ou arredondando para o valor inteiro.
  • Há um acréscimo de ₤2,00 se o táxi for pedido por telefone.
  • Os táxis acomodam até 5 passageiros sem que seja cobrada taxa extra. Sendo assim, pode ser uma opção econômica de transporte para quem está viajando em grupo.

Foto: www.wikitravel.com
Para ver outras dicas de Londres, visite nosso outro blogue, Londres para Principiantes.

Queijo bom não é só a França que tem!

As pessoas se admiram quando o Steve diz que sente falta dos queijos da Inglaterra. Como assim, tem queijo bom na Inglaterra?

Claro que tem! Vou falar de dois tipos de queijo inglês, que acredito serem os mais conhecidos:
Cheddar, sem dúvida é o queijo mais popular e o mais consumido na Inglaterra. O nome Cheddar refere-se ao local onde o queijo era originalmente estocado: as cavernas de Cheddar em Sommerset.  Hoje em dia, é um queijo produzido mundialmente, e até o McDonalds tem sua versão – mas que nem de longe se assemelha ao Cheddar inglês.  E olha que nunca experimentei um com a denominação West Country Farmhouse Cheddar , que é reservada aos queijos artesanais,  produzidos no West Country, aquela ponta sudoeste da Inglaterra.
O Cheddar é um queijo forte, com gosto pungente, tem textura firme mas que se desmancha na boca. Normalmente é amarelo claro, mas alguns são tingidos em tons mais fortes. É vendido com diferentes períodos de maturação, desde o mild (queijo mais jovem) até o extra mature (mais de um ano de maturação). Normalmente, quanto mais maduro, mais forte é o queijo.  Se você nunca experimentou, não sabe o que está perdendo…
O Stilton é um queijo azul, com aquela textura cremosa como a do Roquefort ou Gorgonzolla. É um queijo feito de leite integral que passa por um processo de maturação de 4 a 6 meses. Como o melhor Stilton é produzido com o leite do verão, ele chega às lojas a partir de setembro e é vendido até o Natal. Aliás, não falta um Stilton no Natal de uma família inglesa. É um queijo para ser servido depois do jantar, normalmente acompanhado de um bom vinho do porto.
Sendo marca registrada (PDO – Designação de origem protegida), o verdadeiro Stilton só pode ser fabricado no centro da Inglaterra, em Derbyshire, Nottinghamshire and Leicestershire.
Onde comprar:
Qualquer supermercado vende bons queijos. Mas é muito mais interessante conhecer uma loja especializada na venda de queijo (Cheesemonger’s). A Neal’s Yard Dairy tem duas lojas no centro, de fácil acesso para o turista: uma no Borough Market e uma em Covent Garden. Os queijos ficam expostos em prateleiras de madeira, e é possível experimentar os diferentes tipos. Os atendentes estão preparados para responder às dúvidas e aconselhar quanto ao melhor produto para a ocasião. Endereços:
17 Shorts Gardens  –  WC2 – Covent Garden
6 Park Street  – SE1  – Borough Market
Para quem prefere um pouco mais de tradição, a Paxton and Whitfield comercializa queijos desde 1797, com loja no mesmo local há mais de cem anos. Endereço:
93 Jermyn Street  – SW1
Metrô – Piccadilly Circus
Para ver mais dicas sobre Londres, visite nosso outro blogue, Londres para Principiantes.

The 10 things I miss most from the UK

Whilst Brazil is a great place to live with many many positives, unsurprisingly, there are a number of things I miss from the UK.  Some of these are trivial, others less so, but after 4 years, and still missing them, I guess they must have some significance.  So here they are in no specific order.
Friends and Family
I think the reason for this is clear, so I wont say more.
Cricket and Rugby
Why cricket and rugby and not football?  I guess the answer is obvious – Brazilians (not all but most) love football so there is plenty to watch on TV, normally including 3 or 4 matches from the English Premier League each week.  However, it is impossible to watch cricket here.  I have to follow it on the internet, but thanks to Test Match Special on the radio via the internet, I was able to follow our re-taking of The Ashes!  A pity the one day series has been so bad.
Unlike cricket, there is some rugby on TV and Belo Horizonte even has its own team.  I found this out when I taught the club’s president for a while.  The TV has European club rugby matches on, but they are usually recorded and, therefore, not so interesting when you know the results.  It is also possible, on cable TV, to watch the French Six Nations matches, but only the French games.  Shame it has to be the French!

An old English beer

Warm beer

Who remembers Skol from the UK?  Well, here it is perhaps the most popular beer – enough said?  Seriously, Brazilian Skol is much better than our version, but virtually all the beers here are lagers/pilsners.  Whilst I like them, sometimes I really crave a draught 6X, London Pride, Old Speckled Hen or one of our delicious real ales.  It is possible to buy cans of some of these, but they are expensive and who likes canned beer?  There is a local German bar that serves draught Guinness which goes somewhat to soothing those pangs.
Television, especially the BBC
I still struggle with understanding Portuguese properly, so long for decent TV.  Yes, we get the US sitcoms, CNN and BBC World, but this isn’t the same as television in the UK.  Even when I was young and living in California, I missed British TV.  I guess it is cultural, but the American shows just don’t hit the spot.
By the way, for those of you who are unfamiliar with the BBC, BBC World is not the same. Sure it is the same company, but if I were to give the BBC in the UK 9 out of 10, I would give BBC World 1 out of 10!  Fortunately, I’ve recently discovered a way to watch the BBC.
Strong mature cheddar cheese
This is perhaps the one thing I miss the most.  Sure there is nice cheese here.  You can get most European cheeses, but the thing Brazilians call cheddar is the tasteless version that can be found in the USA.  If anyone ever visits, please bring me some!

A traditional British cheddar cheese

Other foods
As a very fussy eater, I can honestly say that Brazilian food is excellent.  I don’t like everything, but that goes for the UK as well.  However, the things I miss the most, in no particular order, are curry, Branston Pickle, Fish and Chips, Horseraddish sauce, Bovril, McVities Plain(Dark) Chocolate Digestives,and English mustard.   Who notices a bit of a pattern?  Yes, I like spicy, flavourful food and Brazilians tend to prefer plainer tastes such as rice and beans.
Seasons
In Belo Horizonte there aren’t any ‘real’ seasons.  Sure there is the rainy season and the dry season. but the temperatures never get really cold, the trees don’t lose their leaves, the length of the day doesn’t change much.  Sometimes, I long for some cool weather but not the dreary, sunless winter months of Britain.
Cheap computers and components
Although it is possible to buy almost anything electrical in Brazil, the things are usually very expensive.  For example, I just bought an Apple iPhone and the cost of it (with a similar package to one in the UK) was approximately double. I paid R$1449 (roughly £490) for the mid-range one. This isn’t just for Apple products, but is particularly applicable for electronics companies who don’t have factories in Brazil or other South American countries.
Although I mention an expensive product, the same applies to laptops, desktops, video cards etc from other suppliers such as Dell and HP.
Outdoor activities

A view of Belo Horizonte from a road leading to one of the most affluent suburbs, Belvedere

Why outdoor activities when the weather is so much better than the UK?  The answer to this depends on the activity in question.

First, I like walking in the countryside and even around towns or cities.  Where we live in Belo Horizonte, it isn’t easy to walk for two principal reasons: security and topography.  Even though I haven’t personally witnessed any serious crime in Brazil, some of my students tell very unpleasant stories.  It is therefore considered unwise to walk in many areas both in and outside of the city.
The second reason is the topography.  Belo Horizonte (beautiful horizon is the translation) is a very hilly city.  So to walk anywhere here means, almost certainly, scaling small mountains which is good exercise but not quite the pleasant stroll that I prefer.  Of course this is specific to where we live.
The second outdoor activity I miss is gardening (please don’t laugh for those who saw my garden in Kingston).  As most people choose to live in flats, there is little chance to garden.  We have a small herb garden on our balcony, but this doesn’t count as the balcony is enclosed in glass.  We are thinking about buying a house in the future mainly for this reason.
Lastly, and yes I’ve started to struggle to think of 10 things, is:
Public transport
People in the UK, and I was one, complain about the public transport being late, dirty and many other things.  In Brazilian cities, the only significant public transport is buses.  These get really busy and hot apparently because they don’t have air-conditioning.  I say apparently because I’ve never actually tried them yet.  Imagine being on a bus full of people, some who may have been labouring all day, in direct sun with temperatures in the shade in the mid-thirties centigrade.  Suddenly, the British trains, tubes and buses don’t seem so bad.  The UK has an established public transport system, perhaps with room for improvement, but, in Brazil, there is little option other than using a car for those who can afford one.
Concluding, there isn’t so much missing in Brazil. Most things can be found with some effort, but there are those few things that I shall always miss.  Thankfully, the UK isn’t so far away.
In the future …

  • The 10 things I don’t miss about England
  • The best things in Brazil
  • The things I’d change in Brazil if I was President

Primrose Hill – um parque com vista para Londres

O que o filósofo político Engels, o chef-celebridade Jamie Oliver, a modelo Kate Moss e a poetisa Sylvia Plath têm em comum? Bem, segundo consta, todos  moraram em Primrose Hill.

Urban village

Primrose Hill é um bairro localizado no norte de Londres, a menos de 3 km do centro da cidade. Parte do distrito de Camden, é considerado uma “village” urbana, ou seja, uma charmosa área residencial com ar de interior. Em Londres, há várias villages, mas Primrose Hill se destaca e é ainda hoje endereço de várias pessoas ligadas às artes e à mídia.
Como fica em um ponto alto da cidade, é possível avistar todos os cartões postais de Londres a partir do parque de Primrose Hill, sem ter de pagar por isso.
A melhor maneira de chegar até lá é fazer uma caminhada muito agradável pelo Regent’s Canal e depois pelas ruas do bairro, até o parque. Pegue a linha Northern (preta) do metrô e desça na estação de Camdem Town. De lá, suba a avenida (Camden High Street) e vire à esquerda no Canal. Caminhe acompanhando o canal até chegar a um viaduto, com saída para Primrose Hill. Ao subir as escadas, você estará na Avenida Gloucester, já no bairro.
Siga o mapa abaixo ou simplesmente passeie pelas ruas até chegar à área verde. Na Regent’s Park Road, há várias lojas, cafés e restaurantes. Se o tempo estiver bom, compre um sanduíche e faça um picnic no parque apreciando as pessoas e a linda vista.
Para voltar, pegue o metrô na estação Chalk Farm (linha Northern), a 5 minutos do parque.
Veja outras dicas de Londres no nosso blogue Londres para Principiantes.
Mapa de Primrose Hill

Como ir de Heathrow ao centro de Londres


O aeroporto de Heathrow (LHR) é um dos mais movimentados do mundo e é lá que os voos diretos do Brasil aterrizam. O voo da TAM chega no Terminal 4 e o da British Airways no novo Terminal 5, inaugurado em 2008.
O aeroporto está a cerca de 30 km do centro de Londres e oferece ao viajante várias opções de transporte para o centro da capital. As principais opções são:
1 Trem Heathrow Express: a forma mais rápida para chegar ao centro. Em 15 minutos, é percorrido o trajeto do aeroporto até a estação Paddington, no centro de Londres, sem escalas.  Há duas estações no aeroporto: uma no Terminal 5 e outra que serve os Terminais 1-3 (Heathrow Central). Chegando no Terminal 4, é preciso trocar de trem, mas isso é feito de forma rápida e não é cobrado nada extra.
O preço da passagem é ₤16,50 (₤32,00 para ida e volta) se comprada na máquina no próprio aeroporto, ou ₤19,50 se comprada dentro do trem. O jeito mais fácil de adquirir a passagem, no entanto, é online, antes de sair de casa no Brasil. Basta imprimir o bilhete eletrônico com código de barras para apresentar ao cobrador quando pedido. Ao chegar na estação, é só esperar pelo trem e embarcar.
Para encontrar o local de embarque, siga as placas:

O Heathrow Express funciona das 5:00 às 24:00, com um trem a cada 15 minutos, mais ou menos. Veja os horários aqui.
Chegando à estação de Paddington, pegue um táxi ou metrô para seu destino.
2 Metrô: Em qualquer dos terminais de Heathrow, há estação de metrô. A linha azul escura (Piccadilly) conecta o aeroporto ao centro de Londres e ao restante do sistema de metrô da cidade.   É bem mais barato que o Heathrow Express, mas demora bem mais (aproximadamente 1 hora até Piccadily Circus). Como a viagem começa em Heathrow, é tranquilo achar lugar para sentar e acomodar as malas não fica tão difícil.
O horário de funcionamento do metrô é semelhante ao do trem, porém as saídas são mais frequentes. Além de ser mais barato que o trem, a vantagem do metrô é que,  dependendo do destino final do passageiro no centro de Londres, é possível descer já na estação mais próxima, caso seja uma das muitas estações da linha Piccadily.
Uma passagem única (single) para o centro de Londres (Zona 1) custa ₤4,00 e pode ser adquirida na estação do aeroporto.
3 – Trem Heathrow Connect – é um trem parador, mais lento (25-30 minutos) e mais barato (₤7,90) que o Heathrow Express. O destino final também é a estação de Paddington, no centro de Londres. Para quem vai para o oeste de Londres, e tem como destino final uma destas estações, é uma boa opção:

4 Ônibus especial – a National Express faz a ligação entre o terminal rodoviário do aeroporto e a estação de ônibus de Victoria, por ₤4,00. A viagem leva de 40 minutos a 1,5 hora dependendo do trajeto e do trânsito. Os serviços a partir de Heathrow iniciam-se às 5:30 e se estendem até às 21:30. É uma boa opção para quem vai para outras cidades da Inglaterra, ou para os outros aeroportos (há conexões para Gatwick, Stanstead e Lutton). Mais detalhes aqui.
5 Táxi – como em todo aeroporto, há filas de táxi na saída do terminal. O táxi tradicional (black cab) é o mais caro, e uma viagem até o centro da cidade custa pelo menos ₤60,00, e pode demorar bem mais de uma hora, dependendo do trânsito.
6 Ônibus noturno – Entre meia-noite e 5:30, a única opção de transporte público (além do táxi) é o ônibus noturno N9, que tem como destino final a Trafalgar Square, no centro de Londres. A viagem dura aproximadamente 1 hora, e custa ₤1,50.
Welcome to London!
Mais dicas de Londres no nosso blogue Londres para Principiantes.
Fotos: http://www.heathrowairport.com

Mercados de Londres: Portobello Road

Vai estar em Londres em um sábado?

Uma boa pedida é visitar o mercado de Portobello Road, em Notting Hill, um dos muitos mercados de rua de Londres. Se você não gosta de multidão, chegue cedo, porque a partir de 10:30 hordas de turistas e locais começam a aparecer e o lugar fica apinhado de gente. Mas não desanime, é o mercado mais simpático da cidade.

Portobello Road em um dia de verão

São, na verdade, três em um: no início da rua vendem-se antiguidades, no meio comida e no final roupas e outros artigos de segunda mão. Saindo da estação de metrô Notting Hill Gate, vire à direita e siga o fluxo: todo mundo está indo para o mesmo lugar! Os primeiros quarteirões da Portobello Road são tomados por aquelas filas de casas geminadas, algumas coloridas, a cara de Notting Hill.

A partir do cruzamento com a Chepstow Villas, começa a parte mais interessante do mercado, a feira de antiguidades. Os colecionadores se dirigem para as lojas, mas quem só quer mesmo bisbilhotar e fotografar, passeia pelas barraquinhas. Se você estiver procurando aquelas colheres que estão faltando no faqueiro que herdou da sua avó, lá é o lugar para encontrar. Gravuras antigas de Londres, botões dos anos sessenta, broches e anéis, uma máquina de escrever, bules e xícaras de chá, placas de latão, bolas de futebol de couro, equipamento para jogar críquete, carimbos de madeira, livros antigos, selos e moedas, estão entre os artigos – chamados de bric-à-brac-, vendidos em Portobello Road.

Continuando a descer a rua, você verá barracas de alimentos, com frutas e verduras e também pães, doces, conservas, e comida pronta. Ao contrário da feira de antiguidades, essa parte funciona de segunda a sábado e atende os moradores locais. Mais a frente, já quase debaixo do viaduto (Westway), é o setor de roupas, bijuterias, e bugigangas em geral. Além das roupas de segunda mão, é aí que alguns designers da nova geração vendem suas coleções. É neste ponto que termina a feira.

Feira em Portobello Road

Chegar até o final do mercado pode cansar. Mas não é preciso caminhar de volta para a estação de Notting Hill Gate. Pegue o metrô na estação Ladbroke Grove, que fica ali perto.
Nós compramos uma bola de críquete, um porta torradas  e uma placa para porta, com o aviso “beware of the cats”. E você?
Portobello Road Market
Sábados de 8:00 às 16:00 (o horário oficial é de 5:30 às 18:30)
Metrô:   Notting Hill Gate (Linhas Central, Circle e District)
Ladbroke Grove (Linha Hammersmith & City)
Para obter mais dicas de Londres, visite nosso blogue Londres para Principiantes.
Fotos: Francesc Esteve